“Espirito de Natal” Pai, quanto ganhas por hora?

“Um dia, quando um homem chegou tarde a casa, cansado e irritado após um dia de trabalho, encontrou, esperando por si à porta, o seu filho de 5 anos.

– Papá, posso fazer-te uma pergunta?

– Claro que sim. O que é?

– Quanto ganhas numa hora?

– Isso não é da tua conta. Porque me perguntas isso?! – Respondeu o homem, zangado.

– Só para saber. Por favor… diz lá… quanto ganhas numa hora? – Perguntou novamente o miúdo. Bom já que queres tanto saber, ganho 10 euros por hora.

– Oh! – Suspirou o rapazinho, baixando a cabeça. Passado um pouco, olhando para cima, perguntou: – Papá, emprestas-me 5 euros?

O pai, furioso, respondeu: – Se a razão de tu me teres perguntado isso, foi para me pedires dinheiro para brinquedos caros ou outro disparate qualquer, a resposta é não! E, de castigo, vais já para a cama. Vai pensando no menino egoísta que estás a ser. A minha vida de trabalho é dura demais para eu perder tempo com os teus caprichos!

O rapazinho, cabisbaixo, dirigiu-se silenciosamente para o seu quarto e fechou a porta. Sentado na sala, o homem ficou a meditar sobre o comportamento do filho e ainda se irritou mais. Como se atrevia ele a fazer-lhe perguntas daquelas? Como é que, ainda tão novo, já se preocupava em arranjar dinheiro?

Passada mais ou menos uma hora, já mais calmo, o homem começou a ficar com remorsos da sua reação. Talvez o filho precisasse mesmo de comprar qualquer coisa com os 5 euros. Afinal, nem era costume o miúdo pedir-lhe dinheiro. Dirigiu-se ao quarto do filho e abriu devagarinho a porta.

– Já estas a dormir? Perguntou.

– Não, papá, ainda estou acordado. – Respondeu o miúdo.

Estive a pensar e talvez tenha sido severo demais contigo? – Disse o pai. Tive um longo e exaustivo dia e acabei por desabafar contigo. Toma lá os 5 euros que me pediste.

O rapazinho endireitou-se imediatamente na cama, sorrindo: – Oh, papá! Obrigado! E levantando a almofada, pegou num frasco cheio de moedas.

O pai, vendo que o rapaz afinal tinha dinheiro, começou novamente a ficar zangado.

O filho começou lentamente a contar o dinheiro, até que olhou para o pai.

– Para que queres mais dinheiro se já tens aí esse? – Resmungou o pai.

Porque não tinha o suficiente. Agora já tenho! – Respondeu o miúdo.

Papá, agora já tenho 10 euros! Já posso comprar uma hora do teu tempo, não posso? Por favor, vem uma hora mais cedo amanhã. Gostava tanto de jantar contigo.”

 

Estamos a aproximar-nos do Natal, uma época que por tradição faz lembrar as pessoas que mais gostamos, sendo para muitos a única época do ano em que está com elas.

Esta pequena história, faz-nos refletir, sobre o nosso modo de vida, quantos se identificaram com ela?

Aproveitemos esta época para compensar as horas que estamos a dever às pessoas que mais amamos.

No próximo ano, devemos ter em conta esta noção, e começar a planear o nosso tempo, de modo a que não deixemos dívidas de tempo para as pessoas que são importantes nas nossas vidas.

Por vezes esta falta de tempo está diretamente relacionada com a nossa menor capacidade em gerir o nosso tempo, lembrem-se do frasco da maionese já aqui publicado.

Fonte: Recebido por Email

+

Tem um dia magnífico. Diverte-te!

Advertisements

About Jorge Duarte da Silva

” Mudar o mundo, ajudando cada um individualmente a mudar a forma como o vê! “

Posted on 2011/12/22, in Motivador Pessoal, Motivador Profissional and tagged , , . Bookmark the permalink. 2 comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: